quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Pedro Bandeira



Nome da gente
Por que é que eu me chamo isso
e não me chamo aquilo?
Por que é que o jacaré
não se chama crocodilo?

Eu não gosto
do meu nome,
não fui eu
quem escolheu.
Eu não sei
porque se metem
com um nome
que é só meu!

O nenê
que vai nascer
vai chamar
como o padrinho,
vai chamar
como o vovô,
mas ninguém
vai perguntar
o que pensa
o coitadinho.

Foi meu pai quem decidiu
que o meu nome fosse aquele.
Isso só seria justo
se eu escolhesse
o nome dele.
Quando eu tiver um filho,
não vou por nome nenhum.
Quando ele for bem grande,
ele que procure um!

(Pedro Bandeira. Cavalgando o arco-íris. São Paulo, Moderna, 1984.)

Um comentário: