terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Elias José



Brincando de não-me-olhe
Não me olhe de lado
que eu não sou melado.

Não me olhe de banda
que eu não sou quitanda.

Não me olhe de frente
que eu não sou parente.
(...)

Não me olhe no meio
que eu não sou recheio.

Não me olhe na janela
que eu não sou panela.

Não me olhe da porta
que eu não sou torta.

Não me olhe do portão
que eu não sou leitão.

Não me olhe no olho
que eu não sou caolho.

Não me olhe na mão
que eu não sou mamão.
(...)

(Elias José. Namorinho de portão. São Paulo, Moderna, 1986.)





Bão-la-la-lão
Bão-la-la-lão,
senhor capitão,
espada na cinta,
sorvete na mão.

Bão-la-la-lente,
senhor tenente,
a tropa na frente
e a moça na mente.

Bão-la-la-lim,
senhor Serafim,
dinheiro no bolso,
nem liga pra mim.

Bão-la-la-lom,
senhor garçom,
serve pra gente
bala e bombom.

Bão-la-la-lum,
senhor Viramum,
o pé na estrada
sem rumo nenhum.

(Elias José. Namorinho de portão. São Paulo, Moderna, 1986.)







Perguntas e respostas cretinas


- Você conhece o João?
- Aquele que lhe deu um bofetão?
- Você conhece o Zé?
- Aquele que pegou no seu pé?
- Você conhece a Mara?
- Aquela que tirou sarro da sua cara?
- Você conhece a Esmeralda?
- Aquela que trocou sua fralda?
- Você conhece a Marieta?
- Aquela que lhe fez careta?
- Você conhece o Vieira?
- Aquele que fez sua caveira?
- Você conhece o Chico?
- Aquele que lhe deu um penico?
- Você conhece o Joaquim?
- Conheço, mas chega... E fim!...

Elias José





Poema

No zoológico é proibido
Dar pipoca à foca,
caco ao macaco,
garrafa à girafa,
pão ao leão,
diário ao dromedário,
turbante ao elefante,
cano ao pelicano,
dardo ao leopardo,
hera à pantera,
dado ao veado,
broinha à doninha,
pente à serpente.


Elias José






As tias
A tia Catarina
cata a linha.

A tia Tereza
bota a mesa.

A tia Ceiçao
amassa o pão.

A tia Leila
espia da janela.

A tia Dora
só namora.

A tia Cema
teima que teima.

A tia Maria
dorme de dia.

A tia Tininha
faz rosquinha.

(...)

A tia Salima
fecha a rima.

(Elias José. Namorinho de portão. São Paulo, Moderna, 1986. Coleção Girassol.)





O grilo grilado
O grilo
coitado
anda grilado
e eu sei
o que há.
Salta pra aqui,
salta pra ali.
Cri-cri pra cá,
cri-cri pra lá.
O grilo
coitado
anda grilado
e não quer contar.
No fundo
não ilude
é só reparar
em sua atitude
pra se desconfiar.
O grilo
coitado
anda grilado
e quer um analista
e quer um doutor.
Seu grilo,
eu sei:
o seu grilo
é um grilo
de amor.

(Elias José. Um pouco de tudo: de bichos, de gente, de flores. São Paulo, Paulinas, 1982.)

5 comentários:

  1. Grilo Grilado
    Eu achei o poema interessante pois fala do grilo que vivia
    grilado, mas não falava de seu grilo, que era com o amor. O autor brinca com os sentimentos, o amor, que mexe muito com a gente

    ResponderExcluir
  2. Kamila Caldeira De Souza16 de fevereiro de 2011 09:37

    LIVRO UM POUCO DE TUDO


    DE BICHO,DE GENTE E DE FLORES



    VIOLETA



    O POEMA QUE EU LI FALA SOBRE A NATUREZA QUE ESTA ACONSELHANDO A NAO SER TAO VIOLETA,JULIETA TAO BELA PRA QUE TER TANTA TRISTEZA, VIUVA TAO NOVA TAO INTELIGENTE SOU O SORRISO PARA O CRAVO UM ESCARAVO

    KAMILA CALDEIRA 11 ANOS

    ResponderExcluir
  3. Luiza Borges Marinho Tristão16 de fevereiro de 2011 09:46

    Livro- Um pouco de tudo de bichos de gente e de
    flores

    poema hortência



    Hortência a flor rainha da paciência sempre tão bela , que nos da a esperança toda sorridente toda gordura que engorda agente .


    luiza borges marinho tristão 11 anos

    ResponderExcluir
  4. O Bode
    Eu gostei pois ele brincou com um animal triste mas o poema ficou alegre.

    ResponderExcluir
  5. Nátali de Paula e Silva16 de fevereiro de 2011 09:51

    Livro-Um pouco de tudo de bichos, de gente e de flores.


    Hortencia
    Hortencia é um poema que fala que a flor é a rainha da paciencia , que ela é bela, e esperançora.Leve sorridente, e toda gordurosa que engora a gente por sua ternura.

    Nátali de Paula e Silva
    12 anos :)

    ResponderExcluir